14/10/2023

Critérios de diagnóstico para autismo: uma visão geral abrangente

Critérios de diagnóstico para autismo: uma visão geral abrangente

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por déficits persistentes na comunicação e interação social, bem como padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses ou atividades. Diagnosticar o autismo pode ser um desafio devido à variedade de sintomas e à variedade de gravidade entre os indivíduos. No entanto, os médicos confiam em critérios diagnósticos estabelecidos para identificar e avaliar com precisão os indivíduos com autismo. Neste artigo, forneceremos uma visão geral abrangente dos critérios diagnósticos para autismo.

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), publicado pela Associação Psiquiátrica Americana (APA), é o principal recurso usado pelos médicos para diagnosticar distúrbios de saúde mental e de desenvolvimento, incluindo autismo. Os critérios do DSM-5 para TEA baseiam-se em dois domínios principais: déficits na comunicação/interação social e padrões de comportamento restritos/repetitivos.

1. Déficits de Comunicação/Interação Social:
Para ser diagnosticado com autismo, um indivíduo deve apresentar déficits persistentes na comunicação social e na interação social em vários contextos. Esses déficits normalmente se manifestam das seguintes maneiras:

a) Reciprocidade socioemocional prejudicada: este critério refere-se às dificuldades em estabelecer e manter relações sociais recíprocas, como abordagens sociais anormais, reduzido compartilhamento de interesses ou emoções e falta de reciprocidade socioemocional.

b) Déficits de comunicação não-verbal: Indivíduos com autismo podem enfrentar desafios nas habilidades de comunicação não-verbal, como falta de contato visual, dificuldades com gestos e incapacidade de compreender e usar dicas não-verbais.

c) Déficits no Desenvolvimento, Manutenção e Compreensão de Relacionamentos: Este critério inclui dificuldades em formar e manter relacionamentos adequados à idade, ausência de iniciativas sociais ou emocionais compartilhadas e dificuldades em ajustar o comportamento de acordo com o contexto social.

2. Padrões de comportamento restritos/repetitivos:
Além dos déficits de comunicação social, os indivíduos com autismo frequentemente apresentam comportamentos, interesses ou atividades repetitivos. O DSM-5 descreve os seguintes critérios para avaliar interesses restritos e comportamentos repetitivos:

a) Movimentos Motores Estereotipados ou Repetitivos, Uso de Objetos ou Fala: Este critério refere-se a movimentos repetitivos e sem propósito, uso repetitivo de objetos ou fala e ecolalia (eco repetitivo de palavras ou frases).

b) Insistência na mesmice ou adesão inflexível às rotinas: Muitos indivíduos com autismo têm uma forte preferência por rotinas e rituais, ficando angustiados quando suas rotinas são interrompidas.

c) Interesses Altamente Restritos e Fixos: Este critério envolve interesses intensos e restritos que são anormais em intensidade ou foco, muitas vezes não relacionados com interesses típicos apropriados à idade.

d) Hiper ou hipo-reatividade a estímulos sensoriais: Indivíduos com autismo podem apresentar respostas incomuns a estímulos sensoriais, incluindo sensibilidade aumentada ou diminuída a sons, texturas, sabores, luzes ou outras experiências sensoriais.

É importante observar que a gravidade dos sintomas pode variar amplamente entre indivíduos no espectro do autismo. Consequentemente, o DSM-5 inclui um sistema de níveis de gravidade para identificar o nível de apoio que um indivíduo pode necessitar, variando do Nível 1 (requer apoio) ao Nível 3 (requer apoio substancial).

Além dos critérios do DSM-5, os médicos também podem considerar outras ferramentas de avaliação, como o Cronograma de Observação de Diagnóstico do Autismo (ADOS) e a Escala de Avaliação do Autismo Infantil (CARS), para auxiliar no processo de diagnóstico. Essas ferramentas envolvem observação direta e avaliação do comportamento, habilidades de comunicação social e interações do indivíduo.

É fundamental envolver diversos profissionais, como psiquiatras, psicólogos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais e educadores, no processo diagnóstico para garantir uma avaliação abrangente. Esta abordagem interdisciplinar ajuda a captar os pontos fortes, fracos e características únicas do indivíduo, permitindo intervenções adequadas e estratégias de apoio.

Concluindo, os critérios diagnósticos para o autismo concentram-se em déficits de comunicação/interação social e padrões de comportamento restritos/repetitivos. Os critérios do DSM-5 servem como orientação para os médicos, e o sistema de níveis de gravidade permite que a variabilidade individual seja levada em consideração. O diagnóstico e a intervenção precoces desempenham um papel crucial no apoio aos indivíduos com autismo, permitindo-lhes atingir o seu pleno potencial e levar uma vida plena.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.

The reCAPTCHA verification period has expired. Please reload the page.